18.5.07

Crime no Algarve

Há quem tema que o rapto de Madeleine prejudique o turismo algarvio. Haverá razão para tal receio?

Creio que não:

1. As circunstâncias do crime - se crime tiver havido - não sugerem por si mesmas que o Algarve seja um lugar perigoso.

2. Mesmo que assim fosse, não está provado que isso seja razão para afastar os turistas. Apesar de todas as ameaças terroristas, Nova Iorque não perdeu o seu apelo. Os países absolutamente seguros são os países onde não acontece nada de interessante.

3. As imagens do Algarve que passaram nas televisões são lisonjeiras para a região: aldeamentos com bom aspecto, zonas ajardinadas, urbanizações limpas e cuidadas. Como sabemos, trata-se de um óasis no contexto algarvio.

4. Finalmente, muita gente que até hoje pouco ouvira falar do Algarve - sim, é verdade, o mundo raramente pensa em nós! - ficou a conhecê-lo. Não é de estranhar que passem a considerá-lo mais um dentre outros destinos possíveis.

A publicidade assemelha-se a destacar um produto colocando-o na montra. E esta montra até tinha bom aspecto.

2 comentários:

morph disse...

Publicidade no sentido de "publicity" e não "advertising", certo? Nesse sentido também me parece que não seja assim tão prejudicial.

E mesmo com a campanha do Allgarve?
Já dei por mim a pensar se não deviam reformular a campanha já que a adiaram. Pelo menos fizeram bem em adiá-la. Seria "suícidio" levá-la para o ar nesta altura.

Pessoalmente até simpatizo com a campanha do Allgarve, só não a acho compatível com o rapto da Madeleine.

Anónimo disse...

Algumas cidades do Brasil têm a criminalidade que se sabe e todos os dias sorteiam passagens para o Brasil em concursos.
Eu acho que esta publicidade toda só beneficiará o Algarve.
O que eu penso que seria motivo de reflexão é a comoção nacional sobre este episódio, que eu não acho que seja pq é uma família branca, bonitinhos, etc.
Está em causa, para os portugueses, mais: um anfitrião mais pobre recebeu visitas ricas em sua casa. Deu-se uma grande barracada durante a visita. Tornou-se uma questão de honra o anfitrião remediar o problema ocorrido dentro da sua própria casa. As pessoas estão a sentir-se assim, creio.