4.3.08

Um arcaismo difícil de entender

Chama-se stuffers àqueles folhetos que muitas empresas nos enviam por correio juntamente com extractos de conta ou facturas.

As taxas de resposta dos stuffers são sistematicamente muito baixas (da ordem dos 0,2%), mas, como se trata de apanhar a boleia de um documento que tem forçosamente que ser enviado pelo correio, muitos anunciantes chegam à conclusão de que, mesmo assim, vale a pena.

A eficácia dos stuffers é baixa porque se trata de uma peça sem qualquer relação com a peça principal. Quando recebemos o extracto bancário, é natural que a nossa atenção se concentre no extracto ele mesmo, e não naquilo que o acompanha. O mais normal, pois, é que o stuffer seja ignorado e de imediato deitado fora.

Acresce que o extracto ou factura é personalizado, ao passo que o stuffer consiste usualmente numa mensagem massificada enviada de forma indiscriminada a toda a gente.

Olhando para alguns dos extractos e facturas relativos ao mês passado que recebi em casa, constato que incluíam stuffers pelo menos os do Millennium, Santander Totta, American Express e Via Verde. Certamente chegarão mais nos próximos dias. Por outras palavras, o fenómeno generalizou-se.

Ao contrário do que é usual, desta vez prestei atenção ao que essas peças me propõem, apenas para constatar que nenhuma delas parece utilizar a informação de que essas empresas sobre mim dispõem para me proporem algo de relevante. Em suma, dinheiro perdido para os anunciantes e irritação garantida para os consumidores.

Pergunto-me por que persistirão em comunicar desse modo empresas que poderiam enviar antes ofertas personalizadas aos seus clientes. Não será absurdo fazer comunicação massificada através de um meio que, com um bocadinho de esforço extra, pode ser personalizado?

Voltarei a este assunto.

3 comentários:

Consumering disse...

Possíveis razões para o fenómeno: 1) enough about you, let's talk about me. Os stuffers não são personalizados porque estas empresas não têm nada para te dizer pessoalmente, os clientes são todos iguais.
2) double the cost, same result. o preço de um stuffer é bastante baixo, personaliza-lo é capaz de representar um custo relevante na brincadeira sem o devido retorno.
3) business as usual. A última vez que alguém olhou para o assunto na empresa estavamos no milénio passado.

Joao Figueiredo disse...

Sempre achei isso estúpido.

A TVCabo sistematicamente tenta "empurrar" produtos que eu já subscrevo.

Tamanha é a estupidez que ajuda, ainda mais, a piorar a ideia que se tem da empresa.

GL disse...

O custo por contacto de uma acção dessas deve ser tão baixo que em última análise funcionará como construção de notoriedade. Se calhar a taxa de resposta deveria ser analisada após o envio, por um determinado número de vezes, de uma mesma mensagem. Quem sabe à quinta carta alguns clientes subscrevam o serviço? Lembro-me da PT enviar durante meses a mesma mensagem, juntamente com a factura.
- -
Mas concordo que, podendo personalizar, pq não? O retorno poderia ser maior se houvesse alguma personalização. Na minha opinião, não existem clientes iguais... não no séc. XXI. Em plena era do e-mail, enviar uma carta não personalizada, francamente...