1.7.08

Ter escola



A Starch Research (hoje integrada na Gfk) estuda há décadas o impacto da publicidade de imprensa através de dois indicadores: a percentagem de leitores que repararam num determinado anúncio e a percentagem deles que leram pelo menos metade do bodycopy.

Os resultados obtidos são muito consistentes.

Observem os doze anúncios que no último ano conseguiram melhores resultados nos EUA e reparem como todos eles obedecem a um padrão aparentemente muito convencional: promessa clara expressa no headline; recurso frequente a argumentos de apoio; bodycopy explicativo e tão longo quanto necessário; fotografias atraentes; caracteres tipográficos legíveis; lay-outs limpos; e logotipo bem destacado. Numa palavra, advertising that sells.

Ouvimos frequentemente dizer que os consumidores estão cansados deste tipo de publicidade, mas a pesquisa parece desmentir tais alegações.

2 comentários:

jayme kopke disse...

É curioso. Quase todos podiam ter sido feitos por David Ogilvy há uns 40 anos. Nenhum é espectacularmente "criativo", no sentido em que essa palavra é entendida por boa parte dos publicitários. Dá que pensar.

Pedro disse...

Acredito que esse formato consagrado ainda dá muito pé pra propaganda criativa. Será que essa pesquisa teria o mesmo resultado aqui no brasil?
creio que sim

palavraderedator.blogspot.com